CADEIRA 37

ACADÊMICOSQUADRO ACADÊMICO

Felipe de Oliveira

Felipe Daudt d'Oliveira nasceu em Santa Maria, Rio Grande do Sul, em 23 de agosto de 1890, filho de Felipe Alves d'01iveira e Adelaida Daudt d'01iveira. Cursou o ensino primário em Santa Maria e o secundário na Escola Brasileira em Porto Alegre. Freqüentou a Faculdade de Medicina de Porto Alegre, onde concluiu o curso de Química.

Foi redator de O Combatente de Santa Maria em 1908, de O País do Rio de Janeiro, a partir de 1922, e, depois, da Gazeta de Notíciase da Revista Fon-Fon. Desenvolveu no Rio de Janeiro a atividade de industrialista. Em 1932 foi exilado por ter aderido à Revolução Paulista.

Poeta inicialmente neo-simbolista e, mais tarde, modernista, usou na imprensa o pseudônimo de Gavarni. A sua morte se deu em um desastre automobilístico nas cercanias de Paris em 17 de fevereiro de 1932. Pertenceu à Fundação Graça Aranha, Rio de Janeiro, além de ter sido Patrono da Fundação Felipe d'Oliveira criada por seu irmão João Daudt Filho e amigos após o desaparecimento do poeta.

Dados pesquisados em:
MARTINS, Ari. Dicionário Escritores do Rio Grande do Sul. orto Alegre: UFRGS, 1978.

continue lendoVOLTARcontinue lendo

Academia Rio-grandense de Letras

Unimed RS

PATRONOS

CADEIRA 15

Múcio Scevola Lopes Teixeira

(por Anselmo F. Amaral)

A literatura sul-rio-grandense tomou forma própria, com conteúdo regionalista, e expandiu-se a partir da fundação da Sociedade Partenon Literário, em 1868. Iniciativa de um grupo de jovens liderados por Apolinário Porto Alegre. Ali figuraram nomes como: Júlio de Castilhos, Assis Brasil, Fernando Osório (pai), Homero Batista, Lobo da Costa, Revocata dos Passos Ligueroa de Melo e o próprio Caldre e Fião.

Em meio àquela plêiade de escritores, artistas e homens de ciência apareceu um jovem poeta com, apenas, treze anos...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo