CADEIRA 20

ACADÊMICOSQUADRO ACADÊMICO

Hilda Agnes Hübner Flores

Natural de Venâncio Aires, RS, reside em Porto Alegre. Casada com o historiador Moacyr Flores, é mãe da artista plástica Ana Flores, da fonoaudióloga Marcia Hübner Flores e de Marcos Hübner Flores, Delegado Estadual do INSS no Rio Grande do Norte.

Cursou Serviço Social, Filosofia e Mestrado em História, todos pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), onde lecionou e recebeu Medalha Irmão Afonso. É tradutora e ensaísta. Aposentada, dedica-se à pesquisa de assuntos imigratórios e temática de gênero. Foi diretora-presidente da Editora Nova Dimensão.

Presidiu a Academia Literária Feminina do Rio Grande do Sul, a primeira vez na década de 1980, quando promoveu cursos temáticos, gerindo recursos para a reforma da sede da instituição; instituiu, em 1986, a publicação anual Presença Literária. Presidiu o Círculo de Pesquisas Literárias RS e foi vice-presidente da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil (AJEB/RS). É membro da Academia Internacional de Lexicografia, com sede em Divinópolis, MG, do Instituto Histórico e Geográfico de São Luiz Gonzaga (RS) e do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul.

Tem diversas colaborações na imprensa: nos periódicos Correio do Povo, Jornal do Comércio, Zero Hora, RS-Cultura, AEBA (Associação dos Ex-bolsistas da Alemanha); nas revistas Veritas (publicação da PUCRS), Ibero-Americana, Letras de Hoje e Mundo Jovem; na revistaNotícia Bibliográfica e Histórica,da Universidade de Campinas, SP; na revista Travessia 23 (publicação da Universidade Federal de Santa Catarina); na revista Hoy es Historia, de Montevidéu.

Tem participação em mais de sessenta coletâneas e obras coletivas nacionais e internacionais.

Publicou as seguintes obras:

  • A participação popular e os princípios de desenvolvimento da comunidade no desenvolvimento econômico e social do Cone Sul/1966 (trad. do espanhol)
  • Tristeza e Pe. Reus/1979, ELAPE (monografia de bairro)
  • Memórias de um imigrante boêmio/1981, 2ª ed. 1997, EST (trad.: alemão x português)
  • Canção dos imigrantes/1983, EST (dissertação de mestrado)
  • O Papel da Mulher na Revolução Farroupilha/1985, TCHÊ (5 ensaios premiados em concurso estadual)
  • Sociedade, preconceitos e conquistas/1989, Nova Dimensão (ensaio, prêmio Governo do Estado, esgotado)
  • O ramalhete/1990, EDIPUCRS (estudo biobibliográfico de Ana Euridice de Barandas/1845)
  • Aspectos da Revolução de 1893/1993, 2ª Ed. 1995 e 3ª ed. 2005, Martins Livreiro (ensaio, com Moacyr Flores)
  • Turismo no RS - 50 anos de pioneirismo no Brasil (org.). Porto Alegre: Edipucrs, 1993
  • O doutor maragato/1994, 2ª ed. 1995, UFRGS (trad. do alemão, com notas)
  • Alemães na Guerra dos Farrapos/1995, PUCRS (ensaio, esgotado)
  • Santa Clara: o combate federalista/1995, Nova Dimensão (trad. do alemão, com notas)
  • Picada Café/1996, Nova Dimensão (monografia do município, com Moacyr Flores, esgotado)
  • Memórias de Brummer/1997, EST (tradução do alemão, com notas e bibliografia)
  • Dicionário de mulheres/1999, Nova Dimensão (3.300 verbetes, prêmios UBE/RJ, AFEMIL, ALFRS, AJEB/1999, Ivan Lins da UBE e ACL/2000)
  • História da imigração alemã no Rio Grande do Sul/2004, EST (ensaio); Imigração alemã - 180 anos: história e cultura/2004, CORAG (Prêmio Internacional de Literatura Brasil-América Hispânica da AFEMIL de BH)
  • Imigração alemã 180 anos – história e cultura/2004, Corag (com Sílvio Rockenbach; 45 mil exemplares para distribuição)
  • Anita Garibaldi: a criação do mito/2007, EST (folheto)
  • Divórcio?/2007, Ediplat/Porto Alegre e Ed. Mulheres/Florianópolis (org. e estudo biobibliográfico de Andradina de Oliveira)
continue lendoVOLTARcontinue lendo

Academia Rio-grandense de Letras

Unimed RS

PATRONOS

CADEIRA 6

Apolinário Porto Alegre

(por Moacyr Flores)

Apolinário Porto Alegre nasceu na cidade de Rio Grande, RS, em 29.8.1844, filho de Antônio José Gomes e de Delfina Joaquina da Costa Campello. Seus ancestrais pelo lado materno eram de Lisboa e dos Açores pelo paterno. Seu pai, tendo um homônimo em Rio Grande, acrescentou Porto Alegre ao nome a fim de evitar maiores confusões.

Antônio José Gomes, funcionário da Fazenda, teve sua transferência no cargo de inspetor para a Alfândega de Porto Alegre, aonde chegou em 12.10.1859. O jovem Apolinário continuou seus estudos no colégio...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo