CADEIRA 1

ACADÊMICOSQUADRO ACADÊMICO

Manuel de Araújo Porto Alegre

Manuel de Araújo Porto Alegre nasceu em Barão de Santo Ângelo, Rio Pardo, Rio Grande do Sul, em 29 de novembro de 1806, filho de Francisco José de Araújo e Francisca Antônia Viana de Araújo. Completou a Escola Primária em Porto Alegre e estudou Belas Artes no Rio de Janeiro. Nesta área destacou-se, ganhando prêmios e ministrando cursos.

Foi co-diretor da revista brasileira Niterói (Paris, 1826), co-fun-dador do Conservatório Dramático Brasileiro (Rio de Janeiro, 1843), co-diretor da Lanterna Mágica (Rio de Janeiro, 1845), diretor da Academia Imperial de Belas Artes (1854 - 1855), Cônsul do Brasil na Alemanha (1859 - 1866) e em Portugal (1868 - 1879). Foi ainda dignitário da Ordem da Rosa e Cavaleiro da Ordem de Cristo.

Na literatura destaca-se por ter sido um dos introdutores do Romantismo no Brasil, além de ter sido, também, teatrólogo, pintor e historiador. Participou do Instituto Histórico Geográfico do Brasil (IHGB) e da Sociedade de Belas Artes e de Belas Letras como sócio honorário. De sua extensa produção bibliográfica destacam-se Viagens do Coronel José Bonifácio do Amarante, publicado com o pseudônimo de Tibúrcio do Amarante em 1852, Brasilianas, livro de poesia publicado em Viena em 1863 e A Restauração de Pernambuco, drama lírico do qual um fragmento foi estreado por Tamber-lick no Teatro Fluminense em 27 de novembro de 1856 no Rio de Janeiro. Manuel de Araújo Porto Alegre faleceu em Portugal em 29 de dezembro de 1879, onde cumpria suas tarefas como Cônsul do Brasil.

Dados pesquisados em:
MARTINS, Ari. Dicionário Escritores do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 1978.

continue lendoVOLTARcontinue lendo

Academia Rio-grandense de Letras

Unimed RS

PATRONOS

CADEIRA 7

Carlos Augusto Ferreira

Carlos Augusto Ferreira nasceu em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, em 24 de outubro de 1844. Concluiu o ensino primário em São Paulo, para onde se mudou em 1865. De volta a Porto Alegre, foi aprendiz de ourives. Em 1871 retornou para São Paulo e passou a ser redator do Correio Paulistano. Foi ainda de 1876 a 1877 co-diretor do Almanaque Popular de Campinas e diretor da Gazeta de Campinas. Durante o período em que viveu no Rio de Janeiro, foi redator do Correio do Brasil.

Exercitou o magistério, uma de suas paixões, e o jornalismo em Amparo, interior de...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo