NOTÍCIAS

Memorial homenageará Hélio Moro Mariante, ex-ocupante da Cadeira 21

28 de dezembro de 2018

(Texto de Ricardo Chaves para o Jornal Zero Hora)

O coronel Mariante, historiador da Brigada Militar, completaria 103 anos em 21 de dezembro. Natural de Caxias do Sul, ele nasceu em 1915, filho do guarda-livros e professor Teotônio Mariante Filho e de Cristina Moro Mariante. Em 1933, aos 17 anos, o jovem Mariante ingressou na Brigada Militar. Formou-se soldado, fez o curso de cabo e não demorou a fazer o de sargento. Em 1942, iniciou o Curso de Formação de Oficiais (CFO), no mesmo local em que hoje se encontra a Academia de Polícia Militar. 

Como cadete da Brigada, Mariante assumiu sua vocação em assuntos literários, semeando entre os alunos oficiais atividades de fomento cultural. Destaca-se, em 1947, como tenente, ao propor ao coronel Walter Peracchi Barcelos, então comandante-geral, a criação do Museu da Brigada Militar. 

Em 1955, o capitão Mariante inaugura o museu da corporação, no próprio QG da BM. Em setembro de 1987, o acervo é transferido para o prédio da linha de tiro, no complexo da Academia da BM, na Avenida Aparício Borges, onde ficou até 2000, quando voltou para o QG, na Rua dos Andradas, 498, no Centro Histórico, onde pode ser visitado pelo público. Sempre participativo, atuou junto aos próceres que fundaram o Movimento Tradicionalista Gaúcho. Também se engajou entre os membros do Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore, sendo o primeiro presidente. 

Pela vasta produção histórica e literária, foi convidado a ingressar na Academia Rio-Grandense de Letras e tornou-se secretário-geral dos imortais gaúchos ao longo de muitos anos. Igualmente, assumiu a secretaria geral do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul, sendo reconduzido ao cargo diversas vezes. Tornou-se presidente do Círculo de Pesquisas Literárias do Rio Grande do Sul e foi vice-presidente do Instituto de História e Tradição do Rio Grande do Sul e da Cruz Vermelha Brasileira.

Adesguiano de 1968 e formado em História pela UFRGS em 1972, é autor de livros publicados por diversas editoras brasileiras. Entre eles, Crônica da Brigada Militar, lançado em 1972. A vida e a obra de Hélio Moro Mariante honra a todos os gaúchos, a Brigada Militar e o Brasil.

O coronel Mário Yukio Ikeda, que acaba de ser confirmado como comandante-geral da Brigada Militar, aprovou, recentemente, a criação de um memorial na Academia de Polícia Militar do Rio Grande do Sul, em homenagem ao seu patrono, coronel Hélio Moro Mariante. 

O coronel Ikeda almeja que a memória viva de Mariante continue inspirando os atuais e futuros brigadianos que honram as melhores tradições da Brigada Militar em bem servir e defender incondicionalmente a vida e o patrimônio do povo gaúcho. 

Colaboração de Aroldo Medina, pesquisador, tenente-coronel e militar reformado da Brigada Militar.

 

arlarlarlarl

Academia Rio-grandense de Letras

Unimed RS

PATRONOS

CADEIRA 25

Alberto da Costa Correa Leite

(por Walter Galvani)

Não era saudável ser poeta romântico no século XIX, mas de certo modo era assim que se afrontava o “establishment” e se atingia a sociedade através da sensibilização e da comoção: morria-se moço, como Castro Alves, mas sabia-se muito e se alcançava rapidamente uma grande cultura e se conquistavam as ferramentas para brilhar.

Alberto da Costa Correa Leite não fugiu à essa regra de ouro. Nasceu numa família dedicada à literatura e ao jornalismo, como poderia ser o título desta breve nota...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo