NOTÍCIAS

Sábados Literários: Academia homenageou Paixão Cortês na Feira do Livro

05 de novembro de 2018

(Notícia original do jornal CORREIO DO POVO - por Cláudio Isaías)

As lembranças e legados deixados pelo compositor, folclorista, radialista e pesquisador da cultura gaúcha Paixão Côrtes, falecido aos 91 anos em 27 de agosto deste ano, foram os temas das palestras dos escritores Waldomiro Manfroi e Alcy Cheuiche na manhã deste sábado (03/11/2018) na 64ª Feira do Livro de Porto Alegre. O evento ocorreu no auditório do Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli (Margs), na Praça da Alfândega. A homenagem foi prestada pela Academia Rio-Grandense de Letras e teve apoio do Instituto Estadual do Livro.

Em 1947, Paixão Côrtes liderou os estudantes que fundaram o Departamento de Tradições Gaúchas do Grêmio Estudantil do Colégio Júlio de Castilhos e que deflagraria o Movimento Tradicionalista Gaúcho. Ele e sete colegas, trajados e montados tipicamente à gaúcha, algo inédito na época, formaram o “Piquete da Tradição” que desfilou e fez guarda de honra da urna funerária dos restos mortais do general farroupilha Davi Canabarro. Solenidades culturais e cívicas, além de festivais de música e movimentos de afirmação de ser gaúcho, entre outros reflexos, surgiriam nas décadas seguintes graças ao pioneirismo daqueles estudantes.

Para Alcy Cheuiche, que recordou a convivência junto com o amigo, a maior obra de Paixão Côrtes foi resgatar a identidade cultural do gaúcho. “Ele teve a coragem”, resumiu, lembrando que na época de juventude havia uma norte-americanização muito forte. “Ele não era radical e sabia entender as coisas. Quando entrou a guitarra elétrica nos festivais de música foi aquele escândalo. Paixão Cortês disse que não havia problema e que a guitarra elétrica iria atrair os jovens à música gaúcha e não só no rock”, lembrou.

O escritor Alcy Cheuiche destacou ainda que a mais importante herança de Paixão Côrtes foi recuperar as músicas e danças típicas gaúchas que ainda existiam nos rincões do Rio Grande do Sul. “Ele fez uma pesquisa científica. Ele levava um gravador para toda a parte. Achava nos fundões alguém para resgatar um ritmo de época, aquelas festas folclóricas...”, ressaltou. “Tenho boas recordações dele”, concluiu.

Já Waldomiro Manfroi abordou na palestra as “múltiplas particularidades que se dedicou Paixão Côrtes na parte cultural, artística e literária”. Observando que o folclorista é o único membro honorário da Academia Rio-Grandense de Letras, o escritor revelou, por exemplo, a influência de Paixão Côrtes e Barbosa Lessa sobre os imigrantes italianos que deixaram o Rio Grande do Sul e foram ocupando Santa Catarina e Paraná, além do Centro Oeste e até na Região Amazônica. “Eram colonos e não gaúchos, não tinham nada de tradição”, explicou.

Ele acrescentou que os imigrantes tornaram-se “cultuadores da tradição gaúcha” e muitos abriram e presidiram até centros tradicionalistas fora do RS. “A cultura gaúcha foi difundida. No mundo da globalização, a aldeia mantém seu espírito, verdadeiro ou não, em representar a realidade do gaúcho. O que importa é que a pesquisa do Paixão Côrtes foi autêntica, real e existe”, disse.

 

arlarlarlarlarlarlarlarlarlarlarlarl

Academia Rio-grandense de Letras

Unimed RS

PATRONOS

CADEIRA 17

Timóteo Faria Corrêa

Timóteo de Faria Corrêa Filho nasceu em São Gabriel, região da campanha rio-grandense, em 08 de novembro de 1861, filho de Timóteo de Faria Corrêa e Cândida Martins de Faria Corrêa. Estudou na Escola de Guerra de Porto Alegre. Sentou praça em 1876 e saiu alferes-aluno em 1884. Foi Oficial do Exército, chegando ao posto de Capitão da Arma e Artilharia em 1890. Poeta, Timóteo Faria Corrêa assinava às vezes Timóteo Filho.

Publicou versos esparsos em revistas e jornais de seu tempo. Vale destacar seu discurso na 11"Sessão...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo