TEXTOSRESENHAS

Um trabalho necessário - Márcia Ivana de Lima e Silva (sobre "História da Academia Rio-grandense de Letras e Parthenon Litterario", de J. C. Laitano)
29 de novembro de 2016

    Márcia Ivana de Lima e Silva *     Iniciada por um moço, aceita e completada por moços, a Academia nasce com a alma nova e naturalmente ambiciosa. O vosso desejo é conservar, no meio da federação...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo

Resenha de "A Saúde dos Ventos", de Waldomiro Manfroi - José Carlos Rolhano Laitano
27 de janeiro de 2016

  A Saúde dos Ventos, de Waldmiro Manfroi é livro para ler sem pressa. Traça extenso panorama a respeito da Medicina em particular, desde os gregos, sob o olhar da literatura, incluindo  personagens que viveram no início...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo

Academia Rio-grandense de Letras

PATRONOS

CADEIRA 15

Múcio Scevola Lopes Teixeira

(por Anselmo F. Amaral)

A literatura sul-rio-grandense tomou forma própria, com conteúdo regionalista, e expandiu-se a partir da fundação da Sociedade Partenon Literário, em 1868. Iniciativa de um grupo de jovens liderados por Apolinário Porto Alegre. Ali figuraram nomes como: Júlio de Castilhos, Assis Brasil, Fernando Osório (pai), Homero Batista, Lobo da Costa, Revocata dos Passos Ligueroa de Melo e o próprio Caldre e Fião.

Em meio àquela plêiade de escritores, artistas e homens de ciência apareceu um jovem poeta com, apenas, treze anos...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo