TEXTOSRESENHAS

Resenha de "A Saúde dos Ventos", de Waldomiro Manfroi - José Carlos Rolhano Laitano

27 de janeiro de 2016


 
A Saúde dos Ventos, de Waldmiro Manfroi é livro para ler sem pressa. Traça extenso panorama a respeito da Medicina em particular, desde os gregos, sob o olhar da literatura, incluindo  personagens que viveram no início do século passado; e panorama da Porto Alegre antiga, o que inclui alguns que criaram o Parthenon Litterario.
 
Logo no primeiro capítulo, tendo como justificativa literária a sessão de transmissão de posse na Direção da novata Faculdade de Medidina, os personagens que ali surgem estabelecem, desde logo, o olhar sobre o fazer médico e as escolas de Medicina.
 
E nesse mesmo capítulo, o Autor insere um poema sensível que retrata o atendimento de um médico burocrata e sua aflita paciente.
 
O viés literário escolhido por Waldomiro Manfroi permite o encontro suave, apetecível do leigo com as questões profundas da Medicina, seu conceito, sua finalidade – e isto sucede mesmo quando aborda aspectos mais técnicos. Um trabalho de difícil execução que profissionais e estudantes da área da saúde têm obrigação de ler, se a sua vontade professional está além de ganhar dinheiro. E todos nós outros que gostamos de romance histórico, nas palavras da Profa. Dulcinea Santos, da Universidade de Pernambuco, que assina o Prefácio.
 
Quase ao final do primeiro volume – o que está publicado – um personagem diz que os três primeiros romances brasileiros foram escritos por médicos.
 
-       Por médicos? – perguntou o Diretor Ramiro Souto, olhando firme para seu interlocutor por sobre os óculos.
-       Por médicos, sim senhor! – respondeu Prof. Humberto, enfático, fornecendo detalhes de sua descoberta.
-      O primeiro, A Moreninha, foi publicado pelo médico Joaquim de Macedo, em 1844; o Segundo e o terceiro pelo também médico Caldre e Fião, A Divina Pastora em 1847, e O Corsário, em 1849.
-       Mas este é um fato auspicioso, que deve ser conhecido pelos professores e pelos alunos! – exclamou o Diretor Ramiro Souto.
-     Também penso assim – respondeu Prof. Humberto. – Durante minha pesquisa, percebi que a Literatura e a Medicina sempre andaram juntas através dos tempos. E havia razões para tanto: ambas se envolvem com o sentimento das pessoas.
 
A Saúde dos Ventos, de Waldomiro Manfroi, é edição da BesouroBox, 2015.

Academia Rio-grandense de Letras

PATRONOS

CADEIRA 13

Carlos Alberto Miller

(por César Alexandre Pereira)

O patrono da cadeira n° 13 da ACADEMIA RIOGRAN-DENSE DE LETRAS nasceu em Rio Grande no dia 12 de dezembro de 1855 e faleceu na mesma cidade em 07 de Maio de 1924. Seus pais foram Joaquim Carlos Miller e Maria Bernardina de Araújo Miller. Formou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo.

Ocupou os cargos de Diretor Geral da Companhia Fluvial em Porto Alegre e a de Chefe dos Práticos da Barra do Rio Grande. Exerceu em Rio Grande a advocacia e o magistério e foi redator dos jornais GAZETA MERCANTIL e ECO DO SUL.

Na mesma cidade...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo