Colmar Pereira Duarte, nascido em 21 de maio de 1932, no interior do município de Uruguaiana, filho de Luiz Duarte Jr e Alice Pereira Duarte. Poeta, escritor, pesquisador e compositor. É autor das obras Sesmaria dos Ventos (1979), Cancha Reta (1986), Cardo (1993), Tempo de Viver (2000),  Romanceiro da Salamanca (2002), O Jardineiro Cego & Mamboretá (2004) e O Correntino - e outros causos (2006).

É autor de obras para balé, criadas para o balet de Brandsen da Argentina, como Curuzi Gil e Garibaldi e Anita, e de uma transposição para o balé da lenda da Salamanca do Jarau, apresentada em 1974 na 4ª edição da Califórnia da Canção Nativa e em temporada no Teatro Leopoldina Juvenil, em Porto Alegre. Foi apresentada, também, como convidada especial, na Noite de Integração Americana, pelo mesmo grupo no Festival de Cosquin, na Argentina, em 1976. O balé da Salamanca do Jarau é considerado a primeira coprodução brasileiro-Argentina para o teatro.

Criou uma peça para teatro chamada Fogões do Rio Grande, apresentada na primeira Festa Nacional da Lã de Uruguaiana.

É autor de várias letras de canções gravadas e de outras tantas inéditas. É fundador do Grupo de Artes Nativas Marupiáras, com vários prêmios na primeira Califórnia, inclusive com a Calhandra de Ouro (prêmio máximo do festival).

Em Uruguaiana, foi Patrão do CTG Sinuelo do Pago, presidente do Conselho de Cultura do município, é membro do Instituto Histórico e Geográfico. É um dos poetas mais requisitados como jurado de concursos de música e poesia, possui diversos trabalhos de pesquisa sobre temas do Rio Grande do Sul, muitos já publicados em jornais e revistas e outros inéditos.

Organizou o Museu Crioulo do município de Uruguaiana. Obteve junto a Glaucus Saraiva o acervo do Museu Piá, único em seu gênero, que destinou ao CTG Sinuelo do Pago.

Entre os principais prêmios recebidos estão: Primeiro prêmio de Folclore – 1970, Calhandra de Ouro da Califórnia – 1970, Primeiro Prêmio de Poesia – 1980, Medalha de Ouro do Município – 1995, (todos em Uruguaiana), Primeiro Prêmio de Fotografia (Santa Maria) – 1970, Chasque de Ouro (Santana do Livramento – 1983, Troféu Bento Gonçalves (Triunfo) – 1992, Clave de Ouro como Personalidade do Nativismo na Década de 80 (Porto Alegre) 1992.

Na década de 80, participou de um projeto organizado pela Fundação Landel de Moura (FEPLAM), denominado Os Imortais do Rio Grande.

É idealizador da Califórnia da Canção Nativa do Rio Grande do Sul e um dos criadores. É de sua autoria o primeiro regulamento, a escolha do nome do festival e do troféu-símbolo a Calhandra de Ouro.