Percival Oliveira Puggina, nasceu em 1944, em Santana do Livramento, filho de Adolpho e Eloah Puggina. O pai, economista, dirigente de empresas e deputado estadual por quatro legislaturas. A mãe, poetisa e professora de piano. Em 1968, graduou-se em Arquitetura e Urbanismo, tendo atuado nas duas décadas subsequentes como arquiteto e gerente de projetos de grandes empresas de engenharia do país. É casado desde 1969 e tem dois filhos.
 
Em 1985, com a redemocratização, Percival Puggina passou a se dedicar à atividade política, filiando-se à Frente Liberal (hoje DEM) e, posteriormente ao PDS (hoje PP). No primeiro, foi coordenador de bancada na Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul. No segundo, criou e presidiu, durante sete anos, a Fundação Tarso Dutra de Estudos Políticos e Administração Pública, órgão doutrinário do partido no RS. Em 2013 desfiliou-se e não está mais integrado a qualquer partido político.
 
A partir dos anos 80, dedicou-se, também, à atividade literária, escrevendo, semanalmente para centenas de jornais, revistas, sites e blogs em todo o país. Tem milhares de textos e ensaios publicados desde então. Em 2002, criou a empresa Texto e Contexto Comunicação Ltda., da qual sócio-diretor. Em 2006 passou a ser colunista dominical do jornal Zero Hora. É autor de Crônicas Contra o Totalitarismo, Cuba - a Tragédia da Utopia, e Pombas e Gaviões.
 
Em 2010 foi agraciado com a medalha Simões Lopes Neto, por serviços prestados à cultura estadual e, em 2013 foi eleito para a Academia Rio-Grandense de Letras. É conselheiro do Instituto de Desenvolvimento Cultural e membro da Mesa Diretora da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. Como leigo católico, foi coordenador estadual do Movimento de Cursilhos de Cristandade, presidiu a Associação dos Dirigentes Cristãos de empresas de Porto Alegre, e se dedicou ao estudo da Doutrina Social da Igreja.