Patrono da Cadeira 13

(por César Alexandre Pereira)

O patrono da cadeira n° 13 da ACADEMIA RIOGRAN-DENSE DE LETRAS nasceu em Rio Grande no dia 12 de dezembro de 1855 e faleceu na mesma cidade em 07 de Maio de 1924. Seus pais foram Joaquim Carlos Miller e Maria Bernardina de Araújo Miller. Formou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo.

Ocupou os cargos de Diretor Geral da Companhia Fluvial em Porto Alegre e a de Chefe dos Práticos da Barra do Rio Grande. Exerceu em Rio Grande a advocacia e o magistério e foi redator dos jornais GAZETA MERCANTIL e ECO DO SUL.

Na mesma cidade foi vereador e presidente da Câmara Municipal, tendo exercido o cargo de Administrador da Mesa de Renda do Estado. Carlos Alberto Miller foi pai de Alcides Miller e Luis Carlos Miller e irmão de Juvenal Miller e Abílio A. Miller. Foi poeta, cronista, ensaísta, folclorista e romancista e ardoroso entusiata da libertação dos escravos e dos ideais republicanos.

Publicou CASUARINAS, versos, Rio Grande, 1ª edição, Livraria Americana em 1886, 108 páginas; TIRADENTES PERANTE A HISTÓRIA (ou Resposta Perante as Alegações Pernambucanas), ensaio de crítica histórica, Livraria Rio-Grandense, 1895, 50 páginas; Contribuições ao Estudo do Folclore, livro póstumo, publicado em 1968 pela Comissão Estadual de Folclore e organizado por Walter Spalding. No Jornal ECO DO SUL, em Rio Grande, publicou série de artigos sobre folclore - 1884 e 1885. No mesmo jornal, publicou SOMBRAS e CLARÕES, soneto. Publicou poemas e crônicas no Almanaque Literário e Estatístico do RS, Pelotas, 1889 e 1898.

Deixou várias obras inéditas: A MORGADINHA DE FARO, romance; RETRATO DE VÊNUS, novela; A POESIA POPULAR no RIO GRANDE DO SUL, ensaio e SONETOS E LEGENDAS.

DE CASUARINAS, poemas da noite, do vento e da liberdade, selecionamos os versos que seguem:

A POESIA
A poesia... é como as rosas ideais
do nosso pensamento,
como um rio de águas lustrais
que nos apura o sentimento.
Dela brotam os cândidos perfumes
que nos causam sensação.
Tudo em quanto uma alma em si resume,
tudo quanto resume o coração.