ePrivacy and GPDR Cookie Consent by Cookie Consent § Academia Rio-Grandense de Letras § quadro-academico § Carlos Alberto Miller §

CADEIRA 13

ACADÊMICOSQUADRO ACADÊMICO

Carlos Alberto Miller

(por César Alexandre Pereira)

O patrono da cadeira n° 13 da ACADEMIA RIOGRAN-DENSE DE LETRAS nasceu em Rio Grande no dia 12 de dezembro de 1855 e faleceu na mesma cidade em 07 de Maio de 1924. Seus pais foram Joaquim Carlos Miller e Maria Bernardina de Araújo Miller. Formou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo.

Ocupou os cargos de Diretor Geral da Companhia Fluvial em Porto Alegre e a de Chefe dos Práticos da Barra do Rio Grande. Exerceu em Rio Grande a advocacia e o magistério e foi redator dos jornais GAZETA MERCANTIL e ECO DO SUL.

Na mesma cidade foi vereador e presidente da Câmara Municipal, tendo exercido o cargo de Administrador da Mesa de Renda do Estado. Carlos Alberto Miller foi pai de Alcides Miller e Luis Carlos Miller e irmão de Juvenal Miller e Abílio A. Miller. Foi poeta, cronista, ensaísta, folclorista e romancista e ardoroso entusiata da libertação dos escravos e dos ideais republicanos.

Publicou CASUARINAS, versos, Rio Grande, 1ª edição, Livraria Americana em 1886, 108 páginas; TIRADENTES PERANTE A HISTÓRIA (ou Resposta Perante as Alegações Pernambucanas), ensaio de crítica histórica, Livraria Rio-Grandense, 1895, 50 páginas; Contribuições ao Estudo do Folclore, livro póstumo, publicado em 1968 pela Comissão Estadual de Folclore e organizado por Walter Spalding. No Jornal ECO DO SUL, em Rio Grande, publicou série de artigos sobre folclore - 1884 e 1885. No mesmo jornal, publicou SOMBRAS e CLARÕES, soneto. Publicou poemas e crônicas no Almanaque Literário e Estatístico do RS, Pelotas, 1889 e 1898.

Deixou várias obras inéditas: A MORGADINHA DE FARO, romance; RETRATO DE VÊNUS, novela; A POESIA POPULAR no RIO GRANDE DO SUL, ensaio e SONETOS E LEGENDAS.

DE CASUARINAS, poemas da noite, do vento e da liberdade, selecionamos os versos que seguem:

A POESIA
A poesia... é como as rosas ideais
do nosso pensamento,
como um rio de águas lustrais
que nos apura o sentimento.
Dela brotam os cândidos perfumes
que nos causam sensação.
Tudo em quanto uma alma em si resume,
tudo quanto resume o coração.

continue lendoVOLTARcontinue lendo

Academia Rio-grandense de Letras

PATRONOS

CADEIRA 25

Alberto da Costa Correa Leite

(por Walter Galvani)

Não era saudável ser poeta romântico no século XIX, mas de certo modo era assim que se afrontava o “establishment” e se atingia a sociedade através da sensibilização e da comoção: morria-se moço, como Castro Alves, mas sabia-se muito e se alcançava rapidamente uma grande cultura e se conquistavam as ferramentas para brilhar.

Alberto da Costa Correa Leite não fugiu à essa regra de ouro. Nasceu numa família dedicada à literatura e ao jornalismo, como poderia ser o título desta breve nota...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo