TEXTOSARTIGOS

Um prêmio chamado Dyonélio Machado - Jonas Dornelles
13 de março de 2021

Jonas Dornelles doutorando em Teoria da Literatura pela PUCRS Nos tempos trágicos que o Brasil tem afundado nos últimos anos, a luta no front da pesquisa científica se faz cada vez imprescindível, na tentativa de iluminar...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo

Corona Vírus e Gripe Espanhola de 1918: história que se repete - Waldomiro Manfroi
24 de março de 2020

Em 1918 - Influenza Espanhola, em Porto Alegre. Excerto do romance A Saúde dos Ventos 2, PÁGINAS: 152-174 Editora BesouroBox, Porto Alegre, 2017. Waldomiro Manfroi A literatura registra paisagem, épocas, alimentação,...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo

Erro Epistêmico - José Nedel
10 de dezembro de 2019

O princípio da presunção de inocência inscrito no art. 5º, inc. LVII, da Constituição Federal preceitua: “Ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado da sentença...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo

Ousadia para vencer, alegria para viver - Raul Moreau
22 de fevereiro de 2015

Texto originalmente publicado no Portal Mix em outubro de 2014   Aos 19 anos de vida, um jovem brasileiro, já em despedida da adolescência, decidiu-se por enfrentar um novo desafio para o qual estava sendo convocado pela vida: ele seria...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo

Academia Rio-grandense de Letras

PATRONOS

CADEIRA 11

Pe. Carlos Teschauer SJ

(por Luís Alberto Cibils)

Cientista de projeção internacional, cujos, trabalhos também são estudados em Universidades. Esse nome patronímico surgiu na Antiga Academia Sul-Rio-Grandense de Letras, sendo então ocupante Tiago Mateus Würsth, nascido na Alemanha, o qual depois de ter se destacado entre nós como educador, veio a falecer em 1979. Com a unificação das Academias em 1914, a cadeira conservou-se com o mesmo patrono, número e titular.

Foi seu sucessor Antônio Carlos Machado, nascido a 27.12.1916, em Santiago. Formou-se em Direito, como...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo