TEXTOSENSAIOS

Zeferino Brasil: um poeta gaúcho, uma rua paulistana - Fábio Barreto
30 de dezembro de 2020

por Fábio Roberto Ferreira Barreto [1] E eu não sabia que minha história Era mais bonita que a de Robinson Crusoé (Infância, Carlos Drummond de Andrade)  Introdução Este texto visa a tratar...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo

Academia de Letras: o que é, o que deve ser - José Carlos Laitano
20 de junho de 2018

Por vezes é mais prático começar um debate pela negação: o que não deve ser uma Academia de Letras. Não deve ser palco para egos inchados ou prêmio no ocaso da vida, para reconhecimento como personalidade...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo

Dois nomes - José Carlos Laitano
20 de junho de 2018

Muitas personalidades integraram as diversas Academias no Rio Grande do Sul, hoje a Academia Rio-Grandense de Letras, mas dois deles destacaram-se como líderes cuja ação associativa permitiu a criação ou renovação...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo

Depoimento de Antonio Alberti sobre Rovílio Costa (11/11/2016)
05 de dezembro de 2016

DEPOIMENTO DE ANTONIO ALBERTI no painel Rovílio Costa, um homem à frente do seu tempo (Feira do Livro de Porto Alegre – 2016 – evento da Academia Rio-Grandense de Letras).   (Antonio Alberti é italiano,...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo

Academia Rio-grandense de Letras

PATRONOS

CADEIRA 11

Pe. Carlos Teschauer SJ

(por Luís Alberto Cibils)

Cientista de projeção internacional, cujos, trabalhos também são estudados em Universidades. Esse nome patronímico surgiu na Antiga Academia Sul-Rio-Grandense de Letras, sendo então ocupante Tiago Mateus Würsth, nascido na Alemanha, o qual depois de ter se destacado entre nós como educador, veio a falecer em 1979. Com a unificação das Academias em 1914, a cadeira conservou-se com o mesmo patrono, número e titular.

Foi seu sucessor Antônio Carlos Machado, nascido a 27.12.1916, em Santiago. Formou-se em Direito, como...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo