TEXTOSENSAIOS

Dois nomes - José Carlos Laitano
20 de junho de 2018

Muitas personalidades integraram as diversas Academias no Rio Grande do Sul, hoje a Academia Rio-Grandense de Letras, mas dois deles destacaram-se como líderes cuja ação associativa permitiu a criação ou renovação...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo

Depoimento de Antonio Alberti sobre Rovílio Costa (11/11/2016)
05 de dezembro de 2016

DEPOIMENTO DE ANTONIO ALBERTI no painel Rovílio Costa, um homem à frente do seu tempo (Feira do Livro de Porto Alegre – 2016 – evento da Academia Rio-Grandense de Letras).   (Antonio Alberti é italiano,...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo

Frei Rovílio Costa: um mestre a serviço dos livros em tempo integral - Waldomiro Manfroi
16 de novembro de 2016

Na concepção de Paulo Freire, professor não deve se portar como um ente superior que transmite seus conhecimentos.  Ser professor é garimpar, junto aos jovens, caminhos para a construção do conhecimento...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo

Centenário da morte de Caldre e Fião (1976) - Dante de Laytano
04 de agosto de 2016

José Antônio do Vale Caldre e Fião, o autor do primeiro romance gauchesco e figura que exerceu notável influência no seu tempo não só como médico dos mais brilhantes, mas deputado combativo, presidente...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo

Academia Rio-grandense de Letras

PATRONOS

CADEIRA 1

Manuel de Araújo Porto Alegre

Manuel de Araújo Porto Alegre nasceu em Barão de Santo Ângelo, Rio Pardo, Rio Grande do Sul, em 29 de novembro de 1806, filho de Francisco José de Araújo e Francisca Antônia Viana de Araújo. Completou a Escola Primária em Porto Alegre e estudou Belas Artes no Rio de Janeiro. Nesta área destacou-se, ganhando prêmios e ministrando cursos.

Foi co-diretor da revista brasileira Niterói (Paris, 1826), cofundador do Conservatório Dramático Brasileiro (Rio de Janeiro, 1843), codiretor da Lanterna Mágica (Rio de Janeiro, 1845), diretor da Academia...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo