TEXTOSRESENHAS

A ALMA DOS LIVROS

30 de outubro de 2023

A ALMA DOS LIVROS
(No dia do livro)       
                                                              Para Gilberto Schwartsmann
*
Os livros antigos e raros procuram os recantos das velhas bibliotecas para poderem descansar em paz, ali vão morrer feito os elefantes.
*
Os livros antigos acordam nos sebos pelos olhos da adolescente que os lê como se fosse pela primeira vez.
*
Um livro antigo na prateleira semelha a uma árvore no outono com suas folhas vermelhas.
*
Folheava um livro velho como se desfolhasse uma flor, ou debulhasse uma espiga de dourado milho.
*
Um livro velho e raro se desfaz aos poucos como um tronco caído no meio da floresta.
*
Uma biblioteca é uma incubadora de incunábulos.
*
Todos os livros raros são órfãos de velhos monges que os copiaram em mosteiro hoje em ruínas.
*
Nas mãos de um jovem o vetusto livro respira novamente.
*
Nas mãos de um velho o livro antigo se entrega confiado como a um irmão.
*
Ao soprar a poeira de um livro não esqueças de insuflar nele a tua alma.
                                                                                                                                            José Eduardo Degrazia

anteriorANTERIORanteriorpróximaPRÓXIMApróxima todasTODAStodas

Academia Rio-grandense de Letras

PATRONOS

CADEIRA 24

Zeferino Brasil

Antônio de Souza Zeferino Brasil nasceu em Porto Grande, município de Taquari, Rio Grande do Sul, em 24 de abril de 1870, sendo filho de João Antônio de Sousa e Tausta Carolina de Sousa. Estudou no Colégio Rio-Grandense em Porto Alegre no ano de 1883 e cursou a Escola Normal de Porto Alegre pela qual se diplomou professor em 1889.

Funcionário público estadual desde 1889, tendo servido na Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sal até aposentar-se. Foi ainda professor de Retórica e Poética. Jornalista, pertenceu à redação do...

continue lendoCONTINUE LENDOcontinue lendo